quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Eu tomei ibogaína

A droga é talvez o alucionógeno mais impressionante de que se tem notícia. Não bastassem seus efeitos sobre a consciência, essa raiz africana pode curar a dependência de outras drogas.

A ibogaína é talvez a droga alucinógena mais impressionante de que se tem notícia. Não bastassem seus efeitos avassaladores sobre a consciência induz o coma, provoca visões e muda a vida de quem a consome, segundo eles mesmos , essa raiz africana pode curar a dependência de outras drogas. Ela é uma das substâncias mais perigosas que se conhece muita gente já morreu por sua causa. A antropóloga paulista Beatriz Labate, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), viajou a Camarões para conhecer de perto a ibogaína. Eis o seu relato o primeiro do tipo escrito por um brasileiro:

A iboga (raiz cujo princípio ativo é a ibogaína) é utilizada na África Central no tratamento de depressão, picada de cobra, impotência masculina, esterilidade feminina, Aids e também como estimulante e afrodisíaco. Os curandeiros locais, adeptos de uma religião chamada bouiti, acreditam que ela é eficaz também contra doenças místicas, como a possessão.

Tonye Mahop, pesquisador do Jardim Botânico de Limbe, conta que ‘existem vários registros de cura da dependência de cigarro, maconha e álcool com a iboga. O problema é que os informantes não contam bem como preparam e usam a planta. Tem uma parte do conhecimento que fica sempre em segredo.'

O ritual de iniciação, no qual a substância é ingerida, dura três dias. Na abertura, o candidato confessa todos os seus pecados e toma um banho ritual. Depois ele come em jejum até meio quilo da planta. Um grupo o acompanha cantando e dançando noite adentro. A iniciação tem como objetivo induzir um coma. De acordo com os praticantes, em algum momento o espírito sai do corpo e viaja para o ‘lado de lá'. Ou seja, visita o mundo dos mortos. Pode receber revelações, curas ou se comunicar com seus ancestrais. Terminada a cerimônia, a pessoa ‘renasce' com uma nova identidade bandzi, ou ‘aquele que comeu'. A anciã Bilbang Nga Owono Christine, lembra bem a sua iniciação, quando teria se curado de uma ‘doença nos olhos': ‘Uma estrela me guiou até um hospital no lado de lá. Vi meu espírito saindo do meu corpo e os médicos me operando. Voltei curada', diz.

Podem ocorrer mortes nos rituais se a dose for grande demais ou se o sujeito estiver debilitado. Da mesma forma, três pessoas já morreram no tratamento não-controlado de toxicodependentes com ibogaína na Holanda, na França e na Suíça. Alguns especialistas afirmam que a ibogaína age sobre áreas do cérebro que regem a sensação do corpo físico. O resultado é que a pessoa constrói uma imagem do ‘eu' fora do corpo. Os relatos de alguns iniciados se assemelham muito aos de pessoas que estiveram perto da morte. Em ambos os casos, fala-se na presença de uma luz infinita que seria a própria divindade, no encontro com mortos, na vida inteira passando diante dos olhos.

Participei de uma iniciação, mas comi apenas uma colherinha de iboga. O efeito foi fortíssimo, durou 24 horas. Não posso dizer que entendi muita coisa, além de ter achado o ritual bastante cansativo. A sensação foi de que os nativos têm razão: a iboga é qualquer coisa que não tem a ver com este mundo, diz respeito ao mundo dos mortos. Ficou apenas uma enorme curiosidade e medo de me submeter à iniciação completa.

Fonte: SUPERINTERESSANTE

21 comentários:

  1. A ayuasca tem um efeito muito semelhante,apenaz a duração é diferente, mas acredito que ambas te levam ao encontro com o eu maior.

    ResponderExcluir
  2. me chamo Filipe e moro em Curitiba, há alguns meses tomei ibogaina e realmente achei que eu jamais fosse viver sem usar drogas e hj ja retomei minha vida social, e estou retomando a minha vida profissional relacionada a dependencia quimica, estamos engajados em campanhas de prevenção e ajudar aos que precisam.
    me email para trocar informações é : tabernantheiboga@yahoo.com.br
    Filipe Oliveira

    ResponderExcluir
  3. Moro em Curitiba e estamos implantando uma Chacara de Prevenção a Saude. Um espaço voltado para os temas e as abordagens sobre a Dependencia Quimica. Localizado há 20 km do centro da cidade estamos longe do barulho e dos habitos antigo,com a oportunidade de desenvolver novos habitos.
    Filipe O.
    tabernantheiboga@yahoo.com.br
    www.ibogainaeutomei.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. PICARETA, SAFADO, SENVERGONHA DE MARCA MAIOR, 171,
      NÃO EXISTE PIOR CANALHA QUE SE APROVEITA DO DESESPERO DAS PESSOAS, E DÃO DINHEIRO A ESTE ESTELIONATARIO DQUE SE DIZ FILIPE,

      Excluir
  4. A bandzi é um espaço junto a natureza que tem como objetivo complementar o tratamento da dependencia quimica. Nosso foco é a ibogaina como ferramenta.

    tabernantheiboga@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olá, tomei Ibogaína e senti a força desta benção de Deus em minha vida, estou limpo´há 5 meses e vejo que só a Ibogaína não faz milagre nenhum, um acompanhamento profissional e o desejo de parar devem existir, dae sim a ibogaína funciona bem.
    abraço.

    ResponderExcluir
  6. Este tal de Filipe P. Oliveira que posta comentários em tudo quanto é blog sobre sua cura com iboga é um picareta , safado e estelionatário de marca maior. Compramos sementes de iboga do mesmo e ficamos a ver navios. Isto é que dá confiar em drogaditos. Não caiam nesta estória da carochina de clinica em Curitiba. Tudo farsa pra lesar incautos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. TAMBÉM CAÍ NESTE GOLPE DO FILIPE AQUI EM CURITIBA E ME ENTREGOU UMA TROUXINHA COM UMA ERVINHA ESTRANHA E SÓ ME INGRUPIU, SÓ PEGOU O MEU DINHEIRO E ME ENROLOU UM MONTE.

      Excluir
  7. ola achei interessante td isso. quero o end.

    ResponderExcluir
  8. Olá, meu nome é Adriano tenho 16 anos, sou viciado em cocaina, ja fui internado em clinicas de recuperação por 3 vezes e sempre recaia após 1, ou 2 dias no termino da internação e encontrei a salvação da minha vida neste tratamento e algumas semanas atras eu tomei a IBOGAINA, na cidade de Paulinia no Instituto Brasileiro de Terapia Alternativa (IBTA), bom sei que meu comentario pode não mudar a opnião dos que comentaram acima, mas o tratamento realmente funciona e é uma cura para a dependencia quimica, a ibogaina elima pelo menos até 80% da sua dependencia quimica, e os outros 20% vai da boa vontade do paciente querer a recuperação ou não, durante o meu tratamento com ibogaina encontrei algumas pessoas que fizeram o tratamente em curitiba e disseram a mesma coisa que esses comentarios acima estão dizendo, que é uma enganação que o tratamento de curitiba custa muito caro, e só toma o dinheiro e não adianta de nada, na verdade eles te dão apenas uma aplicação e dizem que seu problema está resolvido , isso não é verdade, no IBTA o tratamento é de 5 dias e você precisa estar no minimo a quatro dias limpo para fazer o tratamento, são 5 sessões que podem durar de 1 a 6 horas de acordo com os teste bio energeticos feitos pelo médico que acompanha o tratamento, bom para mim foi uma experiencia fora do comum, após a primeira aplicação ja perdi completamente a vontade de fumar, se algum de vocês estiverem interessados no tratamento pode procurar o ibta, http://www.ibtaina.com.br/ ou http://ibtasaude.blogspot.com.br/ nesses dois sites do instituto vocês poderam se informar melhor a respeito desse método de tratamento, o tratamento tem 80% de resultados positivos e os outros 20% voltaram ao uso, porque acharam que estavam curados pro vicio e poderiam usar drogas como recreação mais uma vez pensando em controlar, mas como nós somos Adictos ja temos a pré disposição a dependencia quimica, tomei 1.600 ml de ibogaina no quarto dia e digo a vocês que estou pasmo até agora e não consigo explicar certamente que viagem foi esta, mas que foi otimo para mim poder ver quem eu realmente estava sendo por dentro, o que estava fazendo e como estava agindo com pessoas que estão ao meu redor querendo me ajudar, o tratamento no ibta tem o valor de R$ 7,000 reais quem estiver interessado e quiser conversar comigo ou com algum familia, peço que entre em contato atravez do meu facebook " ADRIANO PAES LEME " pois estou interessado em ajudar as pessoas assim como um dia fui ajudado, bom até mais a todos os leitores qualquer duvida sabem onde me procurar, mande-me emails com duvidas adrianopaesleme.ibogaina@live.com , até mais !

    ResponderExcluir
  9. Tratamento para as drogas
    WWW.cureseuvicio.com.br
    Tratamento com ibogaina em 7 dias
    Com 5 sessoes livre-se das drogas
    Liberte-se já (11) 4605 2744

    ResponderExcluir
  10. Diogo Nascimento Busse, 28 anos, era usuário de drogas. Du­­rante 13 anos, a vida dele foi semelhante à de outros usuários: mesmo estudando e trabalhando normalmente, passava dias fora de casa e chegou a sofrer alguns acidentes. Tentou inúmeros tratamentos psiquiátricos, psicológicos, medicamentos e internações. Nada deu resultado. Sem saída, mas com esperança de largar a dependência, há dois anos e meio, a curiosidade empurrou Busse para uma substância pouco conhecida no Brasil: a ibogaína.

    Substância extraída da raiz da iboga, arbusto encontrado em países africanos, a ibogaína é usada para fins terapêuticos no país há dez anos, por uma única clínica, com sede em Curitiba. Dra. Cleuza Canan. Nesse período, 130 usuários de drogas usaram o medicamento, Diogo foi um deles. Há dois anos e meio livre do crack, o advogado e professor universitário conta como foi a experiência. “Foi um renascimento. Foi uma viagem espiritual, de autoconhecimento, expandiu meus horizontes. É inexplicável. Hoje eu analiso o passado e não tenho lembranças positivas daquele tempo”, diz.

    De acordo com o médico gastroenterologista da clínica Bruno Daniel Rasmussen Chaves, a ibogaína produz uma grande quantidade do hormônio GDNF, que estimula a criação de conexões neuronais, o que ajuda o paciente a perder a vontade de usar drogas. A ibogaína, segundo ele, também produz serotonina e dopamina, neurotransmissores responsáveis pelas sensações de prazer. A droga é processada na Inglaterra e vendida em forma de cápsulas. O preço de uma unidade, quantidade suficiente para o tratamento, gira em torno de R$ 5 mil.

    “Não existe comprovação científica”

    Atualmente, a ibogaína é usada em países como Nova Zelândia e Holanda. Nos Estados Unidos ela serve apenas para fins acadêmicos.

    Leia a matéria completa

    As imagens que as pessoas enxergam enquanto estão sob o efeito da droga, segundo o médico, são sonhos. “Não se trata de alucinações, a ibogaína não é alucinógena. É como sonhar de olhos abertos, só que durante muito tempo. Durante o sono temos apenas cinco minutos de sonhos a cada duas horas. Com a ibogaína são 12 horas”, explica Chaves.

    Não é um milagre

    Mesmo que os resultados sejam animadores – a taxa de recaída entre os usuários da ibogaína gira em torno de 15%, enquanto nos tratamentos convencionais varia entre 60% e 70% – a substância não é um milagre e nem faz tudo sozinha. De acordo com a psicóloga Cleuza Canan, que há mais de 30 anos trabalha com dependência química, os pacientes passam por três fases. “Avaliamos clinicamente e psiquicamente o paciente. Existe uma fase de desintoxicação. São necessários 60 dias de abstinência para o paciente ir para a ibogaína. Depois que ele toma, começa uma fase que consiste na reorganização e readaptação, com terapia individual e de grupo”, afirma.

    A reportagem Gazeta do Povo conversou com ex-usuários de drogas que recorreram à ibogaína. Eles foram unânimes em afirmar que, depois de tomar a substância, nunca mais tiveram vontade de se drogar. “Eu nunca mais tive vontade. Aquela fissura desapareceu. A droga é apenas uma lembrança, nada mais que isso”, diz um paciente que não quis se identificar. Segundo Cleuza, a recaída só é possível se o paciente mantiver os mesmos hábitos. “Se ele frenquentar os mesmos lugares, conviver com os mesmos amigos, achar que está imune”, explica.

    ResponderExcluir
  11. Substância natural é usada para curar dependência química em clínica de Curitiba
    Em Curitiba, uma clínica que trata dependentes químicos utiliza com sucesso uma substância extraída da raiz de uma planta africana, chamada ibogaína. A substância não é regulamentada pela Anvisa. Porém, ex-usuários de crack que já haviam se submetido a diversas internações e tratamentos psiquiátricos, sem obter sucesso, relatam que conseguiram largar a droga após o tratamento oferecido pela clínica.
    Com isso, nasce uma nova esperança para tratar a dependência química por meio de um tratamento pouco divulgado. A substância em questão é extraída da raiz da iboga e o arbusto é proveniente de países do continente africano.
    Já faz dez anos que a ibogaína é utilizada para fins terapêuticos em Curitiba. Nesse período, 130 usuários de drogas utilizaram essa substância. Eles contam que a experiência com a ibogaína foi incrível.
    Segundo especialistas, a ibogaína produz uma enorme quantidade de um hormônio que estimula a criação de novas conexões neuronais, ajudando o paciente a perder a vontade de usar drogas. A substância também ajudaria na produção dos neurotransmissores serotonina e dopamina, que são responsáveis pelas sensações de prazer. A ibogaína não é uma substância alucinógena. Um médico explica que o efeito seria parecido com o de “sonhar de olhos abertos”.
    Na Inglaterra, a ibogaína é produzida e vendida na forma de cápsulas. O preço de cada unidade em quantidade suficiente para o tratamento gira em torno de R$ 5 mil.
    Os resultados da ibogaína no tratamento da dependência química são animadores, já que a taxa de recaída entre os pacientes tratados com a substância ficou em torno de 15%. Nos tratamentos convencionais, essa taxa varia de 60% a 70%.
    Para o paciente iniciar o tratamento com a substância, é preciso que ele passe por uma fase de desintoxicação e abstinência. A segunda fase do tratamento consiste em reorganização e readaptação, através da terapia individual e da terapia em grupo.
    Por: AgComunicado

    http://www.onlinefarma.com.br/noticia/substancia-natural-e-usada-para-curar-dependencia-quimica-em-clinica-de-curitiba

    ResponderExcluir
  12. Este cara que posta comentarios sobre IBTA deve ser de lá mesmo tentando angarear clientes para o IBTA, o mesmo vale para ésta turma de Curitiba.
    Nem IBTA, nem em Curitiba tem ibogaina.

    ResponderExcluir
  13. O importante antes de mais nada é certificar-se da origem da substância e do tempo de tratamento. A Ibogaína não é cura, mas sim uma ferramenta importante no auxílio e manutenção da abstinência e sobriedade na recuperação. A instituição precisa apresentar a NF de importação da medicação que certifica o grau de pureza processado em laboratório farmacêutico. Atualmente existem somente 2 laboratórios no mundo que processam a substância e (1 na Inglaterra e 1 no Canadá). O tratamento é muito sério e precisa ser acompanhado por um médico responsável. Posso afirmar que o tratamento em Curitiba com a Drª Cleuza segue um protocolo rigorosíssimo para obtenção do melhor resultado. Tenho 43 anos e a 32 meses estou vivendo em sobriedade por conta do profissionalismo e ética apresentados pela equipe da Drª Cleuza e seu protocolo de tratamento.... Só por hoje... Abs!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. então, qual o contato da Dra. cleuza, seria bom ter alguem sério.grato

      Excluir
    2. www.cleuzacanan.com

      Excluir
  14. Fui usuário de crack e cocaina durante 13 anos passei por 11 internações ate que vi uma reportagem com ibogaína foi minha salvação nunca vi coisa igual não e atoa que na Africa ela e chamada de dedo de Deus se alguem real lente quiser parar de usar drogas estou a disposição para qualquer dúvida (11) 96722-8002 ou (11) 2952-2082 Lucas

    ResponderExcluir
  15. Tratamento com ibogaina altamente eficaz ,segue o numero (11) 4285-2601

    ResponderExcluir

Se comentar, cerveja nunca vai faltar!